AMNOR na busca de soluções para destinação dos resíduos sólidos

Prefeitos da AMNOR traçam novos planos e o Ministério Público concedeu novos prazos

Os prefeitos que compõem a AMNOR – Associação dos Municípios do Noroeste de Minas, durante Assembleia Geral realizada dia 09 de outubro, na sede da Associação em Paracatu, reafirmaram ao Ministério Público de Minas Gerais o compromisso de cumprirem todas as metas em torno do saneamento básico de seus municípios, principalmente no que tange à coleta seletiva e eliminação dos lixões, ganhando novos prazos para conclusão de um projeto que vem sendo executado nos municípios com a efetiva participação da AMNOR. “O problema vinha se agravando e complicando as administrações, daí vimos a necessidade de nos unirmos através da Associação para buscarmos as soluções”, disse o prefeito de Urucuia e presidente da AMNOR, Rutílio Cavalcanti.

Prazos

Durante a reunião com os prefeitos, o promotor de justiça e Coordenador de Meio Ambiente das Bacias Hidrográficas dos Rios Abaeté, Paracatu e Urucuia, doutor Athaíde Francisco Peres Oliveira, parabenizou a Amnor pelo trabalho que vem desenvolvendo junto aos municípios do Noroeste Mineiro e anunciou a concessão de um novo prazo para o cumprimento das metas. “O Ministério Público está concedendo mais um prazo de 180 dias, inclusive com a suspensão das sentenças”, anunciou o promotor de justiça. Doutor Athaíde deixou clara sua satisfação em relação às ações desenvolvidas nos municípios até o momento e traçou com os prefeitos e secretários de Meio Ambiente os novos prazos.

Ações

Ao apresentar o relatório do PMGIRS – Plano Municipal de Gestão Integrada dos Resíduos Sólidos e do PMSB – Plano Municipal de Saneamento Básico, o engenheiro sanitarista, Edison Martins, contratado pela Amnor, bem como a superintendente administrativa Ivonete Antunes, relataram as ações que tiveram início em 02 de agosto com a capacitação das equipes técnicas e a realização de diversas atividades nos municípios, como, visita aos lixões e às áreas disponibilizadas para construção de aterros, reuniões, conferências, uma audiência pública, entre outras.

A superintendente administrativa da AMNOR garantiu que os prazos serão cumpridos e destacou a importância da participação do Ministério Público no processo para que fique mais claro o empenho dos prefeitos. “Os gestores municipais aqui da nossa região são extremamente sensíveis ao problema e estão muito empenhados na busca por soluções”, afirmou Ivonete.

Coleta Seletiva

Apesar de alguns prefeitos já estarem fazendo campanhas de educação ambiental, o assunto foi discutido e chegou-se à conclusão que o foco em torno do tema precisa ser ampliado nos municípios com o intuito de mudar os hábitos dos cidadãos em relação à coleta seletiva.

Peste Suína Africana

Durante a 161ª Assembleia Geral da AMNOR, o coordenador regional do IMA – Instituto Mineiro de Agropecuária, Antônio Marcos, acabou apontando mais um motivo que reafirma a necessidade do banimento dos lixões nos municípios. Ele explanou sobre a Peste Suína Africana, que poderá promover incalculáveis prejuízos ao agronegócio, e afirmou que a mesma ainda não chegou ao Brasil, mas já é uma preocupação das autoridades brasileiras. “Essa peste está assustando a agropecuária e por isso vamos precisar muito do apoio dos senhores prefeitos no sentido de seguirem minuciosamente as instruções normativas que regem os lixões”, declarou Antônio Marcos, anunciando ao final a boa notícia de que a suspensão da vacina contra aftosa em todo o território nacional já tem data marcada.

Saúde Financeira

O sócio proprietário da Audicope, Joãozinho Contador, cuja empresa é responsável pela contabilidade da AMNOR, participou da assembleia e apresentou os relatórios financeiros aos prefeitos afirmando que a AMNOR permanece com boa saúde financeira. Além disso, com conhecimento de causa, Joãozinho defendeu maior atenção às cooperativas de reciclagem, como está fazendo o prefeito Olavo Condé, em Paracatu, e disse que através destas cooperativas os municípios poderão conseguir grandes compensações. De acordo com Joãozinho Contador, os produtores rurais estão pagando compensação ambiental equivalente a 0,5% do valor do empreendimento, e que este recurso vai para Belo Horizonte e não retorna, enquanto o certo seria vincular ao município de origem. “Os prefeitos precisam lutar por isto”, sugeriu Contador.

Agricultura Familiar

Reforçando a ideia de que a AMNOR está atenta ao desenvolvimento do Noroeste, a superintendente Ivonete Antunes falou da parceria da Associação em mais uma ação do Projeto Noroeste Empreendedor e anunciou a realização da Feira da Agricultura Familiar, a ser realizada no Palácio Rural de Unaí, no dia 24 de novembro. Ivonete pediu atenção especial dos prefeitos no que se refere ao transporte dos agricultores de seus municípios e também a participação no evento.

AMNOR

A superintendente destacou também as obras de readequação do pátio de máquinas e jardinagem na sede da Associação, a contratação de engenheiro ambiental, a melhoria no sistema de água e o calendário de cursos e missões técnicas já agendados.

Fotos: José Ney Lopes

Reportagem: Rubens Martins