Cemig automatiza o sistema elétrico em cidades do Noroeste de Minas

Empresa está investindo na instalação de um moderno sistema de redes em pontos estratégicos de 14 cidades na região.

A Cemig está automatizando o sistema elétrico em 14 cidades do Noroeste de MInas, com a instalação de 31 religadores trifásicos, 124 religadores monofásicos e outros equipamentos na rede elétrica de distribuição de energia desses municípios. As melhorias representam mais de R$ 2 milhões em investimentos e devem ser concluídas ao longo deste ano. Unaí, Paracatu, Cabeceira Grande, Arinos e João Pinheiro estão entre os municípios que serão contemplados com a instalação desses equipamentos.

Os religadores trazem um grande benefício para a continuidade do fornecimento de energia, pois recompõem o sistema elétrico automaticamente, no menor tempo possível, em caso de interrupção. Assim, quando uma árvore cai sobre a rede elétrica, por exemplo, e interrompe o fornecimento de energia, o sistema já identifica o ponto onde houve a interrupção, isola a área danificada e normaliza imediatamente o fornecimento de energia para os clientes impactados”,  informa Cladston da Silva Santana, gerente de Expansão e Manutenção Preventiva da Cemig.

Os religadores são instalados nas redes elétricas urbanas e rurais. Nos centros urbanos a instalação busca atender áreas com grande concentração populacional e de manutenção da vida, como hospitais, e assim garantir a continuidade do abastecimento para o maior número de clientes em caso de perturbação transitória na rede elétrica. Em áreas rurais, em que os circuitos são longos e atendem a clientes muitas vezes dispersos, a instalação de religadores agiliza o restabelecimento a esses clientes.

Ao se depararem com algum defeito, como sobrecarga por curto circuito, os religadores automáticos realizam vários ciclos de aberturas e fechamentos até a cessação do problema, ou seja, até a normalidade da corrente. Outro caso refere-se ao defeito permanente, desse modo, os religadores automáticos ficam ativados para proteção do circuito elétrico, até a normalização do sistema e religação manual.

Visto que a maioria dos problemas de alimentação é passageira e pode ser provocada por ventanias, raios ou materiais externos, os religadores automáticos atuam, na maioria das vezes, de forma temporária até a resolução da situação que gerou a inconformidade.

Investimento na rede elétrica

No período de 2018 a 2022, os investimentos da Cemig em melhorias em linhas de distribuição, subestações, religadores, redes de média e baixa tensão e medidores, por exemplo, compreenderá o montante de R$ 6,2 bilhões. O valor contribuirá para viabilizar o desenvolvimento econômico e social do estado, uma vez que será distribuído por todas as regiões de Minas Gerais. Para 2020, os investimentos previstos são da ordem de R$ 1,7 bilhão.

Arinos, Bonfinópolis de Minas, Brasílândia de Minas, Buritis,  Cabeceira Grande,  Dom Bosco, João Pinheiro, Natalândia, Paracatu, Riachinho,  Unaí, Uruana de Minas, Urucuia e Santa Fé de Minas são as cidades contempladas.

Fonte: Assessoria de Comunicação da CEMIG

error

Compartilhe: