Quem participou da I Feira Agropecuária Técnica de Unaí (Agrotec 2019) pôde acompanhar inúmeras palestras e cursos oferecidos aos produtores rurais e acadêmicos. Entre dezenas de palestras, a mais prestigiada foi a do PhD em meteorologia Luiz Carlos Molion, palestrante contratado pela Coagril, realizada na sexta-feira, 06 de setembro, lotando o Palácio Rural com produtores, estudantes e profissionais que atuam no segmento agropecuário.

Assim, a Coagril é uma das parceiras que fizeram da Agrotec Unaí um sucesso já em sua primeira edição. A Feira foi promovida pelo Sindicato dos Produtores Rurais de Unaí e contou com a participação de mais de mil pessoas durante os 4 dias de evento.

A Palestra

Com o tema ‘‘Perspectivas Climáticas para o Noroeste de Minas nos próximos 10 anos’’, a palestra foi sucesso total, ministrada por um palestrante renomado e respeitado pelos grandes produtores no Brasil. O currículo de Luiz Carlos Baldicero Molion mostra porquê sua palestra foi tão disputada entre produtores e acadêmicos. Ele é graduado em Física pela Universidade de São Paulo, PhD em Meteorologia, University of Wisconsin Madison, pós-doutorado em Hidrologia de Florestas, Institute of Hydrology, Wallingford, UK e é fellow do Wissenschftskolleg zu Berlin, Alemanha. Foi Pesquisador Sênior do INPE/MCT e Professor da Universidade Federal de Alagoas, atuou como professor nas universidades de Western Michigan University e Universidade de Évora e Portugal.

Tem experiência na área de Geociências, com ênfase em Dinâmica de Clima, atuando principalmente em variabilidade e mudanças climáticas, Nordeste do Brasil e Amazônia, e nas áreas correlatas energias renováveis, desenvolvimento regional e dessalinização de água.
Molion avaliou e analisou as perspectivas climáticas de Unaí para os próximos 10 anos. Além de trazer muito conteúdo com informações relevantes do Brasil e do mundo, o especialista focou na cidade de Unaí. Molion afirma que é uma missão impossível prever o clima, alertou que é preciso continuar monitorando o clima até dezembro de 2020”. Alertou que as chuvas poderão ficar na média em 2019 e abaixo da média em 2020. Quando se estende aos 10 anos, ele detecta que poderá ter frequência maior de tempestades entre janeiro e março e veranicos nos meses de fevereiro, aumento do calor e invernos mais frios.

Reportagem e fotos: José Ney Lopes