População protesta por atraso em construção de ponte

Na noite desta quarta-feira, 28 de fevereiro, dezenas de unaienses participaram de um protesto pacífico em frente a ponte que liga os bairros Vale Verde e Politécnica, principal linha de acesso entre o Cachoeira e Primavera, que estão entre os maiores bairros de Unaí. Segundo moradores da região, o problema surgiu há 4 meses e até hoje as obras não foram iniciadas.

O Protesto

Liderados por Argeu Lima, morador do bairro Vale Verde, os cidadãos que residem nos bairros próximos à ponte e que necessitam transitar pelo local participaram de um protesto pacífico com o intuito de que a Prefeitura de Unaí comece urgentemente a construção da nova ponte. A forma de protestar foi peculiar, nada de faixas ou bagunça, o momento foi regado a música e churrasco patrocinado pelos próprios protestantes.

Segundo Argeu, o local, além de estar ineficiente, provoca acidentes. Disse que dois carros já se chocaram com os blocos de concreto e um motoqueiro se envolveu em um acidente chegando a quebrar a clavícula, tudo isso por não haver nenhum tipo de sinalização no local.

Argeu está sendo uma pedra no sapato dos gestores públicos de Unaí, faz protestos constantemente em redes sociais que viralizam em poucas horas, atingindo assim grande parte da população de Unaí, que na maioria das vezes apoia suas reivindicações.

Outra moradora, que não quis se identificar, falou ao Portal Unaí da insatisfação com o poder executivo. Disse que os moradores daquela região estão abandonados e que é inaceitável que depois de quatro meses sequer as obras tenham começado. Além de moradores da região, o protesto contou com a presença de dois parlamentares, Doutor Ilton e Petrônio Nêgo Rocha.

Risco Iminente

O fato de não haver sinalização aumenta e muito a possibilidade de acontecer acidentes, mas o que mais preocupa a população é o local onde a ponte será construída, pois uma passarela improvisada para passagem de pedestres e ciclistas está sendo utilizada por motociclistas. Além disso, o medo é de crianças se aventurarem e se acidentarem no local.

Prefeitura

O Portal Unaí entrou em contato com a Assessoria de Comunicação da Prefeitura de Unaí. Informaram que desde quando o problema foi identificado a secretaria de Obras trabalha diariamente para resolver a situação. Segundo informações repassadas, a ponte apresentou problemas na fundação e foi interditada desde meados de novembro. Depois de uma avaliação técnica e financeira, a Administração Municipal decidiu construir uma nova ponte ao invés de recuperar a existente.

O custo inicial para a construção será em torno de R$300 mil reais, enquanto o orçamento para recuperar a ponte existente já passava dos R$160 mil, situação que motivou o executivo na tomada de decisão pela construção, tendo em vista que a nova ponte será mais adequada, mais moderna e mais segura.

Causa do Problema

Segundo a Prefeitura, quando foi construída, cerca de 30 anos atrás, a ponte foi feita sobre um leito de córrego com no máximo 5 metros de profundidade. Segundo o executivo com a construção de casas, ruas asfaltadas e o surgimento de novos bairros na vizinhança, o solo foi ficando impermeável e, como consequência, houve aumento no volume da água no leito. Assim Com o passar do tempo, a força da água foi removendo a areia do fundo, e a fundação da ponte ficando cada vez mais comprometida.

Com a intensificação das chuvas, a partir de novembro do ano passado, a situação da ponte se agravou, houve um recalque de mais de 30 centímetros na fundação e a ponte afundou ainda mais, a ponto de técnicos considerarem que “a fundação ficou no ar”, aí foi necessária a interdição.

Demora

A Prefeitura de Unaí informou que a demora em iniciar o serviço se deve a alguns fatores, entre os quais a disponibilidade de empresa para executar o trabalho de perfuração no fundo do córrego.

Foi detectado também que a base de um dos novos pilares que serão construídos coincide com uma tubulação de esgoto, algo que dificultara e atrasará ainda mais a obra.

A empresa contratada pela Prefeitura deverá chegar a Unaí ainda no início deste mês.

Outro complicador diz respeito à parceria da Cemig. Segundo a Assessoria de Comunicação, a Companhia Elétrica informou na manhã de hoje, quinta-feira (01/03), que a energia do local não está ligada apenas aos bairros adjacentes, o fornecimento será interrompido também na zona rural, por isso precisa de um tempo para informar aos produtores da interrupção do fornecimento elétrico. Como passa rede de alta tensão pelo local, a Cemig deverá estar alinhada com a Prefeitura para, em alguns momentos, desligar a rede elétrica, pois o risco de morte de operários é grande, sob rede ligada.

Sinalização

Em relação a sinalização, a Prefeitura destacou que já sinalizou várias vezes, e que infelizmente a ação de vândalos destruiu a sinalização. O diretor de Trânsito fará diligência no local e levantamento da necessidade de nova sinalização, que será feita conforme a avaliação e monitorada para evitar novas ações de vândalos, e no caso de ocorrerem, serem repostas as placas sinalizadoras.

Nova Ponte

O secretário de Obras estima que o trabalho de perfuração no fundo do córrego durará dois dias, em circunstância normal. O serviço será executado por perfuratriz com hélice helicoidal. A fundação receberá 10 pilares que serão preenchidos com concreto armado e alcançarão uma profundidade de 12,45 metros no fundo do leito.

A pista de rolamento sobre a nova ponte será um pouco mais larga, terá 10 metros, contra 8 metros de largura da antiga. A Prefeitura não informou a esta reportagem um tempo estimado para a entrega da obra à população.

A Prefeitura destacou ao Portal Unaí que:

1) – A contratação da mão de obra especializada para perfuração necessária para a fixação das bases de sustentação da ponte está sendo empenhada hoje (01/03).
2) – A licitação para contratação do concreto está agendada para o dia 9 de março.
3) – A licitação para aquisição das vigas será lançada hoje.
4) – A ferragem já foi entregue, já está na “garagem” da Secretaria de Obras.
5) – Para início da perfuração haverá necessidade de desligar a rede elétrica que passa pelo local, já há entendimentos com a CEMIG para este procedimento.
6) – A Prefeitura está usando a melhor estratégia para efetiva correção dos transtornos com essa ponte com a máxima economia possível.

Reportagem e fotos: José Ney Lopes